terça-feira, 4 de abril de 2017

A lavanderia Rouanet - O ralo da corrupção

Famoso ativista das ONGs, Gilberto Dimenstein, por meio de suas empresas, captou cerca de 2 milhões de reais pela Lei Rouanet para “projetos de mídia social” na gestão Dilma Roussef.
17 de fevereiro de 2017
Gilberto Dimenstein é uma figura conhecida na intelectualidade progressista brasileira. Jornalista da rádio CBN e notório ativista das causas politicamente corretas, por meio de seu famoso site Catraca Livre e de suas ONGs, ele promove todas as agendas da esquerda, entre as quais o feminismo, o movimento LGBT, a liberação das drogas, a descriminalização do aborto, a radicalização da lei ambiental, e por aí vai. O slogan do Catraca Livre é um clichê esquerdista dos mais bregas, comunicar para empoderar. Na última gestão da prefeitura de São Paulo, por exemplo, o site tinha um ídolo, seu nome era Fernando Hadadad, o maníaco das ciclovias. O empreendimento de Dimenstein é a cara do militante do PSOL, mas alma é do PT.
O que poucos sabem é como o portal da internet é financiado.  Entre 2011 e 2015 duas empresas, a CATRACA LIVRE PORTAL E COMUNICAÇÃO LTDA e a EXPERIMENTAR COMUNICAÇÕES LTDA, ambas controladas pela holding CIDADE ABERTA ADMINISTRADORA DE EMPREENDIMENTOS SOCIAS LTDA, cujo sócio administrador é Dimenstein, receberam cerca de 2 milhões de reais via Lei Rouanet.
Logo abaixo, é possível conferir as imagens dos processos da Lei Rouanet, no Salic (sistema do site do Ministério da Cultura) que autorizaram captação de recursos às empresas de Dimenstein. Acima de cada imagem há o link correspondente à página do respectivo processo de captação. Caso você queira fazer a busca dos processos, acesse o link a seguir, escreva o nome da pessoa ou empresa na área proponente e clique em pesquisar.

1 comentários:

blogger do negao disse...

https://www.youtube.com/watch?v=-qZwXUJdlcU