sexta-feira, 7 de junho de 2013

Monofoliar inicia turnê pelo Prêmio Sesc Amazônia das Artes

Monofoliar por dez estados
O grupo cuiabano Monofoliar foi contemplado pelo Projeto Nacional Amazônia das Artes e se apresentará em maio nos estados que pertencem a Amazônia Legal
Um espetáculo que mistura a sonoridade mato grossense com um caldeirão de gêneros musicais de todo o mundo. Assim é o Monofoliar, projeto cênico musical cuiabano, que nasceu há quatro anos a partir da convergência musical dos instrumentistas mato-grossenses, Estela Ceregatti, Jhon Stuart e Juliane Grisólia. O grupo acaba de gravar o primeiro disco, previsto para lançamento no segundo semestre.
No mês de maio o Monofoliar inicia uma turnê pelos estados que pertencem a Amazônia Legal. Acontece que o grupo foi contemplado pelo Projeto Nacional Amazônia das Artes, ação que tem por fim incentivar o intercâmbio de produtos artísticos nos estados pertencentes à Amazônia Legal.
O conceito musical cênico, que integra música, performance corporal, cenografia e iluminação, se completa a extensa pesquisa de timbre, de gêneros e ritmos universais folclóricos estudado pelo trio. Um caldeirão sonoro que apresenta as matrizes cuiabana com a inserção de instrumentos como o mocho (típico cuiabano), a muringa, banjo, garrafas, taças, panelas e também os exóticos didgeridoo, de origem australiana e do derbak, tradicional na música árabe.
“Este é um espetáculo que acentua a identidade do grupo ao ousar para além dos limites tímbricos, rítmicos e harmônicos locais. A circulação será uma grande oportunidade de levar o nosso som aos estados vizinhos, que tem uma relação direta com o Mato Grosso e estabelecer uma troca ao desvendar as peculiaridades culturais de cada região”, diz a violonista e cantora Estela Ceregatti, responsável também pelas letras das canções.
O projeto cuiabano foi selecionado por apresentar elementos da identidade da região da Amazônia Legal (Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins) e serve como estratégia para incentivar políticas públicas específicas para esta região do qual o Mato Grosso faz parte. Ao todo, 13 projetos dos segmentos Dança, Música, Teatro e Artes Plásticas foram selecionadas pelo edital, e cada um deles vai passar por esses estados, incentivando o intercâmbio. A turnê finaliza com a participação dos três no expressivo festival FEMUCIC, em Magingá/PR. Vão representar Mato Grosso junto com outras atrações musicais de mais 17 estados brasileiros.
Para o pianista e contrabaixista Jhon Stuart, esta turnê representa o amadurecimento do projeto, que recentemente apresentaram no teatro do Sesc Arsenal, com significativo sucesso de público e crítica especializada. “Nós três juntos somos uma constante fábrica de unidades sonoras, que se completam. E vamos percorrer estados que tem muito a trocar, e agregar ao nosso som mais influências, com certeza o espetáculo Monofoliar vai voltar pra cá mais abrangente ainda”.
O ESPETÁCULO MONOFOLIAR
Com um nome inspirado na orquídea rara formada por três pétalas e três sépalas da flor, o espetáculo Monofoliar surgiu a partir de uma pesquisa acadêmica dos três músicos mato grossenses, a violonista e cantora, Estela Ceregatti, o pianista e contrabaixista Jhon Stuart e a percussionista Juliane Grisólia. O grupo encaixa no conceito World Music, um termo de classificação criado nos anos 70 para designar o tipo de música que mistura os continentes, regiões e instrumentos. “Quando criamos, tentamos ser o mais amplo possível. Nos abrimos para as várias concepções de músicas que tem ao redor do mundo, e destacamos a sonoridade nossa, que é íntima”, explica a percussionista Juliane Grisólia.
Este não é o primeiro projeto elaborado pelos três instrumentistas. Além de conhecidos projetos para opúblico infantil, são os responsáveis pelo elogiado show “Mel de Melão” – com repertório autoral e interpretações de artistas de Mato Grosso com poemas musicados de Cecília Meireles e Ivens Scaff (Cuiabano). E também, estão a frente do show “Na Mordida da Maçã”, que combina repertório autoral do grupo, de outros compositores da região e de artistas renomados os quais o grupo se identifica.
PATROCÍNIO
O edital SESC Amazônia das Artes é um projeto que viabiliza a circulação e o intercâmbio de espetáculos de teatro e dança, apresentações musicais e exposições de obras de arte que pertencem à produção cultural interna da Amazônia Legal. A Amazônia Legal corresponde a um conceito político de delimitação geográfica de estados que possuem aspectos sociais e econômicos semelhantes. Por meio da institucionalização dessa região, o governo federal criou condições de gerar programas específicos que visam sanar as faltas de estruturas culturais e impulsionar o seu desenvolvimento selecionando projetos que contenha a identidade da região. (Com Assessoria)

AGENDA DA TURNÊ
08 de maio - Porto Velho/RO
Área de Convivência da unidade Esplanada no Bairro Olaria
10 de maio - Rio Branco /AC
Teatro Plácido de Castro
12 de maio - Manaus/AM
Teatro Sesc
14 de maio - Boa Vista/RR
Teatro Jaber Xaud (Sesc Mecejana)
16 de maio - Palmas/TO
Teatro Sesc Palmas
22 a 25 de maio - Maringá/PR
FEMUCIC – Teatro Calil Haddad
- Diário de Cuiabá -

0 comentários: