quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Leitura & Literatura

O início de um mundo novo
A semana passada será lembrada sempre que se falar em livros eletrônicos no país. Como uma corrida de automóveis, em que as máquinas até então guardadas nos boxes, tomam seus lugares no grid de largada, o que se viu foi a apresentação ao consumidor brasileiro de novos equipamentos, novas marcas que chegam para transformar o mercado livreiro local.

O início de um mundo novo II
Nook/Livraria Cultura, Amazon, Google Play se juntam a iBook store da Apple como opções para quem deseja comprar obras em formato eletrônico. Mas mais do que essa diversidade de varejistas virtuais, o grande passo é o encontro de aparelhos – a preços razoavelmente acessíveis – com acervos de obras nacionais que, respaldados por acordos recentes com as editoras brasileiras, permitirão ao leitor escolher entre várias modalidades de compra.

O início de um mundo novo III
Para o bem e para o mal, o que veremos nos próximos anos é o aumento de alternativas para consumidor. Ele poderá continuar a frequentar sua livraria de preferência, tomar um café, escolher um livro e passar no caixa (algo impossível em boa parte dos municípios brasileiros). Ou, simplesmente, sentado no seu sofá, com seu e-reader de preferência no colo, escolher a obra que quiser nas páginas virtuais e com um clique começar a ler.

O início de um mundo novo IV
Não há como não relacionar tal comodidade à própria dinâmica veloz de nosso tempo. Em que o tempo dos deslocamentos nas grandes cidades se torna um impeditivo para antigos hábitos. Resta observar que a alteração no hábito de escolher e adquirir livros está também profundamente relacionado com a própria forma que nos relacionamos com a cidade, o tipo de convivência que a ainda estamos dispostos a ter – algo que por sucessivas décadas, as livrarias físicas ofereceram inestimável contribuição. Abrem-se também possibilidades inéditas a escritores que poderão, libertados dos custos do papel, testar novos modos de contar histórias.

- José Godoy, CBN -

0 comentários: